Não vou mentir. A pergunta que mais nos fizeram nos últimos tempos foi: mas porque