Basta aterrar na Capadócia para perceber que esta é uma terra mágica e que merece ser visitada pelo menos uma vez durante a nossa vida.

Nesta terra única do centro da Turquia existem cidades subterrâneas com vários andares cavadas nas rochas vulcânicas milenares, vales verdejantes, formações rochosas que parecem por vezes talhadas à mão pelo homem mas que são uma obra de arte da Natureza salpicadas de grutas que foram habitadas durante séculos, algumas que escondem igrejas primitivas com frescos de beleza incomparável.

Já há muito que a Capadócia fazia parte da nossa bucket list, daqueles sítios que sabíamos que tínhamos de visitar como se um íman para lá nos puxasse. 

Escolhemos para nossa base Uchisar. Esta vila histórica da região de Nevsehir é muito central e um óptimo ponto de partida para visitar todos os musts da região, de Goreme e do seu Open Air Museum, aos inúmeros vales de encantar desde o Vale dos Pombos ao Vale Rosa e Vermelho e ao Vale do Amor.

Mas a região ficou escolhida na verdade da primeira vez que vi a imagem do hotel que acabamos por escolher, o Taskonaklar. “You had me at hello” Taskonaklar, com o seu terraço sobre as formações rochosas milenares pintalgadas de madrugada por centenas de balões, este hotel, que parece ele próprio esculpido nas rochas, foi a nossa “caverna” de sonho nos dias que passamos nesta terra com uma beleza de arrepiar.

Roteiro:

Dia um: 

Chegamos a Uchisar já a meio da manhã depois de sairmos de madrugada de Istambul.

Depois de nos instalarmos no nosso hotel de encantar fomos percorrer as ruas da vila de Uchisar, uma vila pitoresca que parece que se funde nas formações rochosas que a rodeiam.

Paramos para almoçar num restaurante que, além de maravilhoso, tem um terraço com uma vista de perder a cabeça, o Millocal! Recomendação do hotel super certeira. Almoçamos lindamente e recuperamos forças para a caminhada da tarde.

Seguimos para o Castelo de Uchisar! Subir a este castelo cavado nas rochas porosas de Uchisar é imprescindível! E uma forma óptima de perceber como durante séculos estas rochas porosas de origem vulcânica foram usadas na região pela população local para construírem habitações, castelos, igrejas e esconderijos.

Depois de percorrermos a vila a pé voltamos ao hotel para relaxar no terraço ao pôr do sol e recuperar forças para o dia seguinte. Supostamente tínhamos um voo de balão marcado para a madrugada de sábado mas foi cancelado por razões climatéricas. Tínhamos dividido a familia em 2 voos para podermos todos viver a experiência de sobrevoar a Capadócia (menos a Benedita uma vez que só permitem crianças com 6 ou mais anos nos voos) mas o tempo trocou-nos as voltas por isso só pudemos manter o voo de domingo e o “maridon” decidiu ficar com a Mogli para nós podermos ir.

Todos os jantares foram feitos no hotel e adoramos! Comida excelente, serviço super atencioso! E depois de dias compridos e exigentes jantar no hotel e relaxar no terraço sobre as estrelas era tudo o que precisávamos.

Restaurante Millocal em Uchisar

Dia dois:

Para o dia dois marcamos o tour vermelho. As visitas na Capadócia estão divididos em diversos percursos com cores diferentes consoante o que pretendem visitar. 

O tour vermelho é o ideal para quem nunca visitou esta zona da Turquia pois é bastante completo e inclui visitas às atrações culturais e arqueológicas mais conhecidas bem como pelas maravilhas naturais mais estonteantes da zona.

O nosso passeio incluiu uma visita ao Museu a Céu Aberto de Goreme, ao Vale dos Monges (ou Pasabag) com as suas incríveis e fascinantes chaminés de fadas que parecem esculpidas por mão humana mas que são o resultado de milhares de anos de erosão, ao Vale dos Pombos e a Devrent.

Fomos também visitar um atelier de cerâmica e aprender mais sobre a forma como os lindos artefactos típicos da Capadócia são feitos e um atelier de tapetes para perceber também como as belas tapeçarias produzidas na Capadócia são feitas e as diferenças entre os vários tipos de tapetes.

Para percorrer a rota vermelha contratamos um tour privado com guia e com uma carrinha grande para percorrermos os pontos todos da rota de forma confortável e sem a confusão das excursões. Ter uma guia por “nossa conta” tornou a visita muito mais completa e interessante pois não teríamos visto as coisas que visitamos pelos mesmos olhos se não tivessemos o contributo do conhecimento da guia sobre os locais, curiosidades históricas, factos sobre esta região e a sua história.

Nota: para percorrerem os vários pontos de interesse da Capadócia e de forma a fugirem das excursões com turistas à molhada a melhor forma será alugar um carro ou fazer tours privados com guia e motorista.

Foi um dia em cheio em que percebemos o porquê da fama desta região da Turquia. Esta região talhada pela natureza como se fosse uma escultura é de facto um dos lugares mais impressionantes onde já estivemos no mundo!

Museu a Céu Aberto de Goreme
Museu a Céu Aberto de Goreme
Museu a Céu Aberto de Goreme
Vale dos Monges (Pasabag)

Dia três:

O grande dia! O dia da tão esperada, desejada e planeada viagem de balão ao nascer do sol sobre os vales mágicos da Capadócia – de que o meu marido tão querido abdicou para que eu e os mais velhos pudessemos ir.

Escolhemos a empresa Butterfly Balloons e correu tudo super bem. Fui contactada pela empresa por causa do voo que estava marcado para o primeiro dia, conseguiram alterar a marcação do segundo voo de forma a irmos 3 pessoas em vez de 2 e trataram de forma rápida e eficiente da devolução do voo que foi cancelado.

Só vos posso dizer que esta é uma experiência que se puderem têm mesmo de fazer caso visitem a Capadócia. Fica bastante caro pelo que para uma família maior é de facto um encargo muito grande mas se estiverem dispostos a abrir os cordões à bolsa vale mesmooooo a pena!

Na verdade, o transfer que nos vai buscar ao hotel ainda de madrugada (o nosso pick up foi às 3h30 da manhã….credo eu sei!), o transbordo no local onde os “viajantes” do dia se juntam e tomam o pequeno almoço e assistir, a todo o ritual de  “enchimento” dos balões com ar quente e do levantar dos outros balões de outras empresas que estão no local todos somados resultam numa experiência única e inesquecível! 

No nosso balão não iam mais de 10 pessoas no total, mais o piloto, o Mustafa, que animou a viagem com as suas piadas e simpatias e que levantou e pousou o balão com a suavidade e destreza de quem tem grande experiência. 

Dicas para a viagem de balão: Pelo valor que vão pagar fujam de viagens em balões que levem mais de 15 pessoas. Não vão ter boa visibilidade da paisagem e o facto de ser muita gente dentro de um balão retira a aura de paz e tranquilidade que se deve viver quando estamos “nas nuvens”. 

Vejam as reviews de clientes e escolham uma empresa fidedigna e que garanta o reembolso do valor dos voos caso haja cancelamento devido a condições climatéricas, o que acontece muitas vezes (aliás connosco aconteceu relativamente a um dos voos)

Por causa disso marquem o voo para o vosso primeira dia inteiro na Capadócia para que, caso passem lá mais de um dia, em caso de cancelamento o voo possa ser reagendado para um dos dias seguintes. 

E aproveitem o momento! Tirem algumas fotos sim pois este é um momento a recordar mas aproveitem também cada minuto, o nascer do sol, a paisagem rochosa e incrível que assume várias tonalidades à luz do sol, respirem o ar puro, e mais do que fotografias gravem estes momentos na memória pois serão únicos na vossa vida.

O momento alto do voo? A sensação de rasgar as nuvens de balão e de estarmos sozinhos na enormidade do céu azul…não consigo descrever em palavras! (na verdade vi poucos balões a fazerem isto ou então o nosso querido Mustafa escolheu o timing perfeito para a nossa subida às nuvens.)

 

O mundo não pode acabar sem que tenha a possibilidade de o ver de cima e sem janelas!

Depois desta experiência inesquecível regressamos ao hotel cerca das 9h00 e aproveitei para tomar mais um pequeno almoço (até porque o pequeno almoço do hotel era só delicioso!).

No nosso último dia na Capadócia decidimos fazer o percurso verde. Neste dia não tivemos guia mas contratamos uma carrinha grande com motorista e ar condicionado para descansar depois das grandes caminhadas que prevíamos fazer neste dia.

Começamos por uma visita à cidade subterrânia de Kaymakli. Esta é considerada a maior cidade subterrânea da Capadócia, embora a mais profunda seja a de Derinkuyu (decidimos ir a Kaymakli porque achamos que com a Mogli seria mais fácil!).

A cidade subterrânea tem 8 andares abaixo do chão num labiríntico intrincado de passagens estreitas e baixas que pretendiam dificultar a entrada dos inimigos de quem aqui se abrigava da perseguição religiosa ou da guerra. Por razões de segurança apenas 4 andares são visitáveis. Os corredores são bastantes circuláveis embora tenha dado várias cabeçadas (pois….) mas possivelmente um claustrofóbico não se irá sentir bem nesta visita!

Daqui seguimos para o verdejante Vale de Ihlara, considerado o maior desfiladeiro da Anatólia. A fenda gigante de Ihlara tem cerca de 100 metros de profundidade e resultou do resfriamento das lavas vulcânicas corroídas pelo fluxo das águas do rio Melendiz. Descemos umas escadas longas até ao fundo do vale e demos início à nossa caminhada de cerca de 1h30 pelo vale. Faz-se muito bem. Levem sapatilhas e muita água e estão prontos!

Pela trilha encantem-se com as igrejas escondidas escavadas nas rochas que escondem frescos centenários e de uma beleza única, ouçam o barulho do rio a correr, respirem o ar puro. No final do percurso chegam à vila de Belirsima (onde tínhamos o nosso motorista à espera) onde existem vários espaços junto à água para almoçar. No entanto achamos os espaços um pouco turisteiros e decidimos ir almoçar a Uchisar, não sem antes parar no Mosteiro de Selime, espaço icónico onde foi filmado um dos filmes da saga Star Wars (não me perguntem qual pois não sou expert 😉 ;)) .

 

Cidade Subterrânea de Kaymakli

Espero ter conseguido transmitir o quanto ficamos impressionados pela beleza desta região. Já tínhamos sonhado muito com uma viagem à Capadócia e existe sempre aquele receio de chegar a um local com que tanto se sonhou e idealizou e ficar decepcionado! Mas não, muito pelo contrário!

Mas todas as palavras acima e as fotos que tirámos não fazem justiça à verdadeira beleza deste local!

Depois de lerem este post façam as malas e vão conhecer este cantinho da Turquia com uma paisagem única cujas formações rochosas parecem esculturas esculpidas pela natureza! 

Boa viagem

Sofi!