TURKISH DELIGHT
Foram 17 dias de viagem, 5 viagens de avião, muitos transfers, muitos quilómetros, desde as ruas movimentadas e cheias de história de Istambul, às formações rochosas milenares da Capadócia às águas cristalinas da Costa Lycia. Estas viagens, estas experiências únicas que lhes preparo com o maior carinho do mundo são o maior testemunho que lhes posso deixar.

Foi, sem exageros, a viagem mais completa, e longa, que, para já, fizemos os 5 fora de Portugal e fico orgulhosa por saber que estes dias ficarão sempre na memória de todos nós e que os meus filhos guardarão sempre as experiências vividas neste país encantado.

Porque digo que este é o maior testemunho que lhes posso deixar? Porque para além de tudo o resto (valores, educação, sentido de trabalho e tantos outros) quero que se tornem cidadãos do mundo, que conheçam e abracem outras culturas e formas de estar sem preconceitos e ideias pré-concebidas. Que percebam que a sua rua, cidade ou país não é o centro do mundo. Que para além da porta da sua casa há todo um mundo para desbravar a abraçar.

A viagem a esta terra encantada, que tem um pé na Ásia e outro na Europa, estava já há muito planeada e quase cheguei a pensar que não se ia concretizar (obrigada covid)!

A Turquia é um país lindo de um canto ao outro e com muito para desbravar mas o tempo (e dinheiro) é limitado por isso o objectivo foi juntar história, cultura, aventura e descanso na mesma viagem. Depois de muita pesquisa e recolha de informação roteiro escolhido: a incontornável Istambul, a Capadócia, onde ficamos em Uchisar, e a vila piscatória de Kas na costa lycia.

Dormimos 6 noites em Istambul (uma no final antes do voo de regresso), 3 noites na Capadócia em Uchisar e 7 noites em Kas. Pelo meio muitos quilómetros de estrada, muitos transfers, mas também muitos mergulhos, muitas paisagens desbravadas.

Para a parte final da viagem, o descanso dos guerreiros, sempre tive em mente fugir das zonas balneares mais turísticas da Turquia. Tudo o que me cheirasse a resorts com tudo incluído foi fugir a sete pés (nada contra atenção, mas a ideia para esta viagem foi  mesmo conhecer a Turquia mais genuína, mais verdadeira e simples, menos turística). Aliás “roteiros alternativos” é cada vez mais o mote das viagens que tenho vindo a organizar.

A viagem foi tão grande e completa que vou ter de separar as nossas aventuras em 3 posts separados: um todo dedicado a Istambul, outro para a Capadócia e o terceiro exclusivamente dedicado à costa lycia.

Neste primeiro post sobre Istambul vou-vos deixar um roteiro por dias com os percursos que fizemos e locais que visitamos bem como dicas de restaurantes que adoramos!

Qualquer dúvida não hesitem em deixar na caixa de comentários ou a mandar mensagem no instagram!

IMG_20210802_205238_045
Istambul — 2021

Antes de mais deixem dizer-vos com toda a honestidade que Agosto não é de todo o melhor mês para visitar Istambul. Sofremos muito muito com o calor e já disse várias vezes que devo ter deixado metade do meu peso em suor pelas calçadas da cidade! A melhor altura para visitar Istambul, e mesmo o resto da Turquia será Maio e Junho e Setembro (isto se quiserem conciliar com um programa de praia!).

Mas tendo em conta o tempo que queríamos passar na Turquia e as férias dos miúdos tivemos mesmo de marcar as férias para esta altura!

Bem vamos lá ao roteiro:

Dia Um

  • Praça Taksim (que ficava a 5 minutos do nosso hotel) e passagem pela Mesquita de Taksim.
  • Seguimos depois pela Rua Istiklal explorando algumas das ruas laterais até chegar à Torre Gálata.
  • Subimos à medieval Torre de Gálata (o bilhete custa 100 liras turcas por pessoa – cerca de 10 euros dependendo do câmbio em vigor) para ter uma visão de 360 graus da cidade! Vale a pena!
  • Da Torre Gálata seguimos para a Ponte de Gálata para atravessar o Corno de Ouro em direcção à parte antiga da cidade. A visão da Ponte, principalmente à noite é mágica e vale muita a pena parar aqui um pouco para apreciar as vistas da cidade e tirar fotografias memoráveis mas os restaurantes que ficam por baixo da ponte são muito turísticos. A Ponte é um local emblemático de Istambul não só pela ligação entre dois pontos importantes da cidade (Beyoglu e Eminonu) mas também para os pescadores de Istambul que daqui pescam o seu sustento ou simplesmente o seu jantar. Junto à Ponte vendem-se as típicas sandwiches de peixe (balik ekmek) em embarcações aí ancoradas e o cheiro a peixe cozinhado enche o ar.
  • Mas ainda não eram horas de almoçar por isso seguimos junto à água até ao artístico bairro de Karaköy. Percorremos as ruas salpicadas de restaurantes, bares e cafés cheios de pinta e prometemos voltar um dia ao jantar.
  • Seguimos para o Parque Gülhane onde almoçamos numa esplanada em cima dos jardins e seguimos para o Palácio Topkaki.

A visita a este palácio sumptuoso, residência dos sultões durante cerca de 4 séculos, seu museu e jardins é imprescindível. De facto estes senhores tratavam-se bem !

Não percam a vista do cabo da península do Seraglio e as suas magníficas vistas sobre o Estreito do Bósforo.

  • Seguimos para  Haghia Eirene (Igreja de Santa Irene) e daí para a Hagia Sophia. Este lugar santo de Istambul que desde 1934 funcionava como um Museu foi em Julho de 2020 retransformada em Mesquita. Para entrar na Mesquita as mulheres não devem levar roupa curta (saias, vestidos ou calções curtos) e devem cobrir a cabeça. Se não tiverem um lenço existem lenços disponíveis na entrada que podem usar. É obrigatório tirar os sapatos por isso se não quiserem percorrer as alcatifas da mesquita sem nada nos pés levem umas meias.
  • Percorremos o Parque Arqueológico Azul até chegarmos à famosa Mesquita Azul. Mas que desilusão que eu tive nesse momento! A mesquita que é um símbolo desta cidade está totalmente em obras de recuperação por isso não pude apreciar a sua famosa beleza. Mas a visão majestosa da mesquita no topo da sua colina não deixa de nos tirar a respiração!
  • Passamos na famosa Praça de Sultanahmet, local exacto do Hipódromo de Constantinopla. Do mesmo apenas resta a Coluna Serpentina, trazida de Delfos e o Obelisco de Teodósio, trazido do Templo de Karnak no Egipto.
  •  Visitar a Igreja de São Sérgio e São Baco, renomeada pelos otomanos de Pequena Santa Sofia pelas semelhanças com a Hagia Sophia
  • Queríamos visitar a Cisterna da Basílica mas por causa do covid a mesma estava encerrada.

Se o mundo fosse um único estado, Istambul teria sido sua capital

Karaköy
Hagia Sophia

Dia dois:

Dia de explorar o Bazar das especiarias e o Grand Bazar.

  • Começamos o dia a explorar o bairro de Beyoglu. É um bairro cheio de pinta e com uma vibe muito jovem que contrasta com o bairro mais histórico e tradicional de Sultanahmet.
  • Atravessamos mais uma vez a Ponte Gálata desta vez em direcção ao Bazar das Especiarias. Este é um dos ex-libris da cidade.

O cheiro a 1000 especiarias, a chá, e a baklava acabada de fazer enche o ar e parece que nos envolvem no abraço reconfortante!  Deixem-se levar pelas cores e pelos cheiros e percorram os corredores deste bazar. Por mais que entrem sem intenções de comprar nada garanto-vos que será muito difícil saírem daqui de mãos a abanar.

  • Como não conseguimos ver a Mesquita Azul em todo o seu esplendor estávamos focados na passagem neste dia pela Mesquita de Suleymaniye. Esta Mesquita linda e imponente não fica atrás em beleza e esplendor da Mesquita Azul e da mesma têm uma vista única sobre a cidade.
  • Saindo pela parte de trás da Mesquita existem uma série de restaurantes com rooftop de onde podem almoçar literalmente “sobre Istambul”. Nós almoçamos logo no rooftop do restaurante cuja entrada fica junto à saída da Mesquita, depois de desceram a escadas para a rua, mesmo à frente. Fomos muito bem atendidos, a lista era bastante completa e com opções para todos e a vista…….de uma lado a Mesquita, de outro lado a cidade a estender-se até ao Bósforo!
  • Depois de recuperadas as forças seguimos para o Grand Bazar para percorrer o extenso emaranhado e labiríntico percurso dos corredores cheios de lojas. Algumas coisas que vale a pena comprar em Istambul: têxteis (toalhas, tapetes, almofadas), bijuteria e pratas, peles. Atenção: têm de negociar tudo!
  • As Mesquitas de Rustem Paxa e a Mesquita do Príncipe (Sehzade Mehmet) também merecem uma visita.
  • Estourados, cheios de calor fomos passar o resto do dia ao hotel e usufruir da piscina antes de mais um jantar!
Bazar das Especiarias

Be who you are and say what you feel, because those who mind don't matter, and those who matter don't mind.

Dia três:

A Benedita acordou com febre. Tivemos de adaptar o programa do dia e decidimos ir para um local mais fresco, onde pudéssemos visitar um museu, refrescar num jardim. 

  • Como a seguir ao almoço queríamos ir de barco à Ásia e o dia teria de ser mais calmo por causa da Benedita decidimos assim ir visitar o Palácio Dolmabahce. Este Palácio sobre a água é dos mais bonitos e imponentes de Istambul e vale muito a pena a visita. O Palácio Dolmabahçe substituiu o Palácio Topkapi como residência dos sultões entre 1856 até 1924, ano em que se aboliu o califado.

O Palácio, construído muito embora num período em que o califado já não estava no seu esplendor, é lindo e imponente e foi claramente construído para impressionar quem lá entrasse.

Almoçamos na esplanada dos jardim do Palácio e seguimos para o ferry para atravessar o Bósforo para a Ásia (destino: Uskudar).  Apanhamos o ferry mesmo junto ao Palácio.

Deixo-vos os horários abaixo (atenção convém confirmarem se quando forem os mesmos se mantêm). Os bilhetes são muito baratos e a travessia vale a pena. Aconselho a fazerem este passeio à tarde de forma a conseguirem ver o pôr do sol sobre o lado ocidental de Istambul do outro lado.

O último ferry é as 20h00 mas nós mesmo sendo Verão ainda conseguimos ver o sol a descer sobre Istambul. 

Percorram o calçadão junto ao Bósforo onde existem inúmeras esplanadas  de cafés e restaurantes e descubram o “spot” de onde querem ver o pôr do sol.

A visão do sol a descer sobre Istambul para mim foi sem dúvida um dos momentos altos da visita a esta cidade mística. Foi um momento mágico e inesquecível para todos! Parece que o sol vai engolir a cidade e todas as casas e edifícios ficam pintados a amarelo e laranja sobre a luz do entardecer! 

Este foi um dia mais calmo para a Benedita se recuperar mas foi sem dúvida dos mais memoráveis que passamos nesta cidade.

Palácio de Dolmabaceh
Uskudar
Uskudar

Dia quatro:

  • Como a Cisterna da Basílica estava encerrada fomos visitar a Cisterna mais pequena e menos turística Cisterna de Binbirdirek.
  • Seguimos para as Muralhas de Teodósio e paramos na bonita e pequena Mesquita de Kalenderhane (antiga Igreja ortodoxa de Hagia Theotokos).
  • Almoçamos mais uma vez no bairro de Sultanahmet num rooftop para nos despedirmos das vistas da cidade e percorremos o serpentear de ruas deste bairro antigo antes de voltar ao hotel para fazer as malas e nos preparamos para um jantar cedo no bairro de Karaköy.
  • Gostavamos de ter ido à Igreja de São Salvador em Chora mas acabamos por não ter tempo
Uskudar

Restaurantes:

  • Nisantasi Baskose: restaurante familiar e excelente de cozinha otomana. Fomos muito bem recebidos e jantamos divinamente!
  • St Regis Brasserie no hotel St. Regis: cozinha mais moderna e internacional, muito bom ambiente.
  • Banyan Istambul no hotel The Stay Bosphurus, talvez o restaurante com a vista mais deslumbrante onde já jantamos! Sobre a Mesquita de Ortaköy e a Ponte do Bósforo jantamos maravilhosamente sobre o buliço do bairro do Ortaköy e dos barcos que se azafamavam para cá e para lá.
  • Restaurante no rooftop do Intercontinental. No dia em que estávamos mais cansados e para a Benedita recuperar da febre da manhã decidimos jantar no hotel e não nos arrependemos! A vista é soberba e a carta muito interessante!
  • No ultimo dia jantamos em Karaköy mas o restaurante que escolhemos não era memorável! Mas percorram as ruas deste bairro trendy. Têm inúmeros restaurantes com um ar super cool por onde podem escolher!
Ortaköy
Karaköy
Karaköy

Outras sugestões:

  • Visitar o Museu Arqueológico junto ao palácio Topkaki;
  • Fazer o cruzeiro do Bósforo à noite;
  • Visitar um hamman (como estávamos com a Benedita decidimos não nos separar para fazer este programa e já tínhamos tido uma experiência fantástica num hamman em Marraquexe)

Resumindo: Foi uma estadia memorável e nem o calor tórrido nos fez gostar menos desta cidade com um pé na Ásia e outro na Europa, cidade mística onde várias culturas, religiões e interesses políticos se cruzaram ao longo da sua rica e longínqua história, uma verdadeira metrópole onde a tradição e a modernidade, o passado e o presente se encontram e convivem lado a lado em perfeita harmonia e beleza desde os bairros históricos repletos de palácios, museus, mesquitas, igrejas e sinagogas aos prédios modernos e envidraçados e às pontes monumentais.

Nota final:

Ficamos instalados no hotel Intercontinental de Istambul. Fica em Beyoglu a cinco minutos a pé da Praça Taksim e é bastante central – embora, nota importante – ao final do dia por vezes fosse um inferno arranjar taxi para regressar ao hotel porque é uma zona que tem bastante trânsito ao final do dia e alguns taxistas recusavam-se a levar-nos.

O hotel tem boas instalações, embora um pouco demodé, um pequeno almoço óptimo e um serviço bastante bom e disponível.

Moeda local: liras turcas. Levem euros para usar lá também. Alguns bazares de rua aceitam euros. Também podem trocar lá dinheiro em lojas de câmbio e a maioria dos sítios claro aceitam visa.

 

Venham conhecer esta cidade mágica e não se vão arrepender! Garanto que será uma viagem inesquecível!

 

Boa viagem!